O IPad e as Historias em Quadrinhos

O IPad e as Historias em Quadrinhos

Reproduzimos aqui parte do artigo publicado pelo jornalista Sergio Codespotti no portal UNIVERSO HQ que faz uma reflexão sobre o recente lançamento da Apple, o IPad, e como ele poderá afetar a industria das Histórias em Quadrinhos. Confira aqui e também visite o site UNIVERSO HQ para o restante da matéria.

Qual o impacto que o iPad, da Apple, terá nos quadrinhos?

Apple anunciou ontem (27 de janeiro) o lançamento de uma nova categoria de produto no mercado: o iPad.

A julgar pela apresentação da Apple, fica óbvio que o iPad será muito utilizado para a leitura digital. Já existe até um aplicativo especial para exibir o New York Times. A loja da Apple tem um catálogo de 140 mil aplicativos desenvolvidos, a maioria dos quais rodará no iPad.

Dois desses aplicativos foram criados para ler quadrinhos, desenvolvidos pela RobotComics eComixology. Hermes Pique, da RobotComics, disse ao site Bleeding Cool que sua empresa já está desenvolvendo um aplicativo que permita a leitura dos formatos CBR e CBZ, os mais populares disponíveis online e usados não apenas por quem lê scans pirateados, mas também por artistas e editoras.

Outra empresa especializada em HQs digitais que pretende capitalizar sobre o iPad é a LongBox. No entanto, até o fechamento deste artigo, ela não havia se pronunciado oficialmente sobre o produto da Apple.

O iPad, assim como o iPhone, parece não rodar aplicativos em Flash, o que deve ser um empecilho para o Zuda Comics (leia maisaqui), selo de webcomics, da DC.

Joe Quesada, da Marvel, declarou numa entrevista anterior ao lançamento do produto, que estava bastante interessado no evento e no desenrolar desta nova tecnologia. Mas nada de oficial além disso foi divulgado.

É difícil prever o impacto real que o iPad terá na produção e distribuição dos quadrinhos, mas já se especula no mercado norte-americano que esta é uma oportunidade de distribuição de revistas tão grande e interessante quanto o surgimento da distribuição direta, na década de 1980.

[…]

Deixe um comentário

comments