Sarjeta do Terror #31 – Os 70 anos de Eerie #1

Sarjeta do Terror #31 – Os 70 anos de Eerie #1

No dia 29 de janeiro (domingo), foram-se exatos 70 anos da publicação original de Eerie #1, considerada a primeira hq de terror americana.

É claro que é necessário algum contexto histórico para posicionar Eerie nessa história toda. O terror existe nos quadrinhos desde as primeiras décadas do gênero, tendo entrado pela porta dos fundos, misturado a outros gêneros como space opera, histórias criminais e fantasia em geral, que formavam o conteúdo das chamadas revistas “pulp”. Na época, o mais comum era ver o gênero no terror cósmico das histórias espaciais e o Weird Menace, inspirado pelo horror gráfico e naturalista do Grand Guignol e que era protagonizado por maníacos, sádicos e assassinos.

No entanto, o terror não era, por si só, um gênero independente. Mesmo após o surgimento dos super-heróis (que basicamente evoluíram do Pulp) e o advento de adaptações de clássicos vitorianos como Frankenstein (Mary Shelley) e o Médico e o Monstro (Robert Louis Stevenson) para os comics, não havia hqs dedicadas exclusivamente ao terror. É aí que entra Eerie.

Em 1947, a editora Avon Periodicals publicou Eerie #1, uma antologia de 52 páginas, totalmente colorida, contendo 6 histórias de terror: “The Eyes of the Tiger”; “The Man-Eating Lizards”; “The Strange Case of Henpecked Harry”; “Dead Man’s Tale”; “Proof” e “Mystery of Murder Manor”. Esta revista deu o pontapé inicial para que outras editoras começassem a se aventuras por revistas de gêneros segmentados (revistas só de terror, só de guerra, só de crime, etc), e o que era um meio povoado apenas por super-heróis passou a ficar cada vez mais diversificado e criativo (isso, é claro, até achegada do Comics Code). Por conta disso,  a revista é considerada a primeira hq americana dedicada exclusivamente ao terror e geralmente creditada como responsável por estabelecer o gênero nos comics.

Quem quiser pode conferir a hq, na íntegra, aqui (em inglês):

Curiosidades:
– Entre os autores de Eerie #1 estavam um jovem Joe Jubert;
– Apesar de ter esgotado e feito bastante sucesso, a Avon periodicals não deu sequência para Eerie até 1951, quando relançou a revista como uma antologia seriada que durou 17 edições;
– Para fechar a edição, Eerie #1 contou também com uma história humorística de 2 páginas de um personagem chamado “Goofy Ghost”.

Edições anteriores:

30 – Plantão Sarjeta do Terror – Sombras do Recife

29 – Criadores de Terror: Rodolfo Zalla

28 – Da TV para os quadrinhos: Além da imaginação

27 – Vigor Mortis Comics – Volume 1

26 – Super-heróis com um “pé” no terror: O Espectro

25 – Warren Publishing: Contornando o Comics Code

24 – Prontuário 666, os anos de Cárcere de Zé do Caixão

23 – Da TV para os quadrinhos: Arquivo X

22 – Criadores de Terror: Eugenio Colonnese

21 – Terror nas grandes editoras, parte final

20 – Terror nas grandes editoras, parte 2

19 – Uzumaki

18 – Terror nas grandes editoras, parte 1

17 – Do cinema para os quadrinhos: Evil Dead/Army of Darkness

16 – Terror no mundo real: o Comics Code Authority, parte final

15 – Super-heróis com um “pé” no terror: Doutor Oculto

14 – Terror no mundo real: o Comics Code Authority, parte 1

13 – Da TV para os quadrinhos: Elvira, a Rainha das Trevas

12 – EC Comics , epílogo: O Discurso Contra a Censura

11 – Criadores de Terror: Salvador Sanz

10 – EC Comics, parte 3: o fim

9 – Super-heróis com um “pé” no terror: Homem Formiga

8 – Interlúdio: Shut-in (trancado por dentro)

7 – EC Comics, parte 2: o auge

6 – Interlúdio: Garra Cinzenta, horror pulp nacional

5 – EC Comics, parte 1: o início

4 – Asilo Arkham: uma séria casa num sério mundo

3 – A Era de Ouro dos comics de terror

2 – Beladona

1 – As histórias em quadrinhos de terror: os primórdios

Deixe um comentário

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *